junho 21, 2012

O Parlamento Europeu respondeu à minha petição «Não à mudança de hora»

A petição (texto aqui) foi em tudo idêntica à que apresentei à Assembleia da República, de onde me responderam algo como "este assunto não é da competência da Assembleia da República e sim da União Europeia".
A resposta deles veio em forma de carta:


Transcrição (onde, para já, me limito a destacar a amarelo as partes que considero mais interessantes e passíveis de contestação, que segue dentro de dias pois não se pode deixar arrefecer, agradecendo desde já quaisquer contributos para o que vai ser a minha resposta):

"PARLAMENTO EUROPEU
Committee on Petitions
The Secretariat
Bruxelas,
KLC/sp [IPOL-COM-PETI D(2012) 31137]

Exmo. Sr.
João Paulo Calheiros Proença de Moura
[endereço]
PORTUGAL

310169 – 13 06 2012
Assunto: Petição nº 0132/2010

Exmo. Senhor,
Acusamos pela presente a receção do seu correio eletrónico de 11.04.2012. A petição em epígrafe foi inserida no grupo de petições subordinadas ao tema “Hora de verão e de inverno”.
Gostaria de assinalar que, nos termos da Diretiva 2000/84/CE, respeitante a hora de verão, em 2007 e com base nas informações transmitidas pelos Estados-Membros, a Comissão apresentou ao Parlamento, ao Conselho e ao Comité Económico e Social um relatório sobre as repercussões das atuais disposições relativas a hora de verão nos setores em causa.
O referido relatório permite concluir que os mais recentes estudos quantitativos confirmam que a hora de verão permite realizar poupanças de energia, embora estas sejam diminutas comparativamente ao consumo global. Em termos gerais, no seu relatório a Comissão conclui que as repercussões da hora de verão, abstração feita das vantagens para as mais diversas atividades de lazer e a realização de diminutas poupanças de energia, são praticamente nulas. Por exemplo, nos setores mais afetados (agricultura, transportes e turismo) não foi possível observar quaisquer repercussões dignas de nota.
Assim, a Comissão considerou que as disposições relativas a hora de verão, que é regulamentada pela Diretiva 2000/84/CE, continuam a revelar-se adequadas. 0 calendário harmonizado (início e fim da hora de verão) deve necessariamente ser mantido, para garantir o funcionamento harmonioso do mercado interno, que constitui o mais importante objetivo da diretiva em questão. Por esta razão, de momento a Comissão não tenciona tomar outras medidas nesta matéria.
Muito agradecemos o interesse dispensado às atividades do Parlamento Europeu.


Saudações cordiais,
Karen Lone Chioti
IP-PETI@europarl.europa.eu
B-1047 Brussels - Fax +32 2 284 68 44"

Não resisto a uma pequena/(bem) grande observação: já repararam que a Comissão Europeia se baseou em estudos quantitativos? E o bem estar das pessoas que se lixe?! Vou pedir cópia desse relatório, ai vou, vou...

9 comentários:

  1. Esta Europa é a das quantidades. Quantidades de dinheiro, quantidades de défice, quantidades de austeridade, quantidades de impostos e quantidades de desemprego e estupidez.
    Desta última, as quantidades são até generosas e tem um efeito multiplicador sobre o item anterior, curiosamente o que indicava noutros tempos a vertente principal dos objectivos da União Europeia: o emprego, base da economia já que quem produz, consome. E quem consome precisa de produzir.
    Nestes tempos em que a estupidez reina, que importância tem algo quase intangível como um horário de Verão? Atrevo-me a dizer que nada, nenhuma.
    A prova, muitas vezes já expressa pelos sabedores destas matérias é que se pretende dar cura a uma crise económica com base na completa e absurda inversão de valores. Em vez da economia servir o Homem, põe-se o Homem no altar do sacrifício para a acalmia dos Deuses dos males da Economia e a quantidade de desemprego é apenas um número na balança dos números, os cortes de ordenados e pensões, uma estratégia, as penhoras e execuções fiscais apenas mais uns X %, os suicídios, uma desgraça marginal que merece um mero franzir de sobrolho enquanto a página se vira rapidamente sobre a notícia, qual mortalha a esconder o que resta de humanidade, pois o défice este ano é de umas décimas apenas acima do previsto. Isto sim uma notícia preocupante que não se compadece com não-questões como essa coisa que um "parvo" por aí anda a esgrimir, armado em D. Pixote contra os braços moínhos imaginários, afinal apenas os ponteiros de um relógio...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "parvo" vai continuar. Agora vai pedir o relatório que a Comissão usou como base para decidir...

      Eliminar
  2. Ás vezes tenho mesmo essa sensação, sabes?.
    A de que abraçamos causas, ideais, que nos empenhamos nelas, vestimos e damos a camisa, corremos até riscos, e no fim, ou se morre na praia ou nos chamam de parvos, mesmo quando - após muita luta-, se conseguem atingir os fins que ao fim ao cabo, são para o benefício de todos, nós incluídos, pois claro.
    Espero que esta luta passe por todas as etapas,a considerar;:

    Local: algures na Comissão.

    -Epá!!! Lá veio outra carta, sobre a coisa da mudança da hora!!
    -Não digas?
    -Sim pá....
    -Epá... o gajo é parvo...
    -Parvo não, é chato.

    passa algum tempo

    - Olha!
    - Olho o quê?
    - Outra carta do gajo
    - Qual gajo?
    - O chato, da coisa da mudança da hora, e agora vem cheia de pareceres técnicos assinados por sumidades nas matérias.
    - Isto vai dar uma trabalheira....

    passa mais algum tempo

    - Queres saber uma coisa?
    - diz...
    - Lembras-te daquelas cartas?
    - Não me digas que é outra vez o assunto da mudança de horário
    - Sim, é
    - Então?
    - Desta vez não é uma carta.
    - É uma enciclopédia de argumentos.
    - xi que chatice.
    - Vamos ter que analisar isto, temos que reunir um staf para contradizer, a ver se acabamos de vez com isto.

    passa ainda mais algum tempo, reuniões etc....

    - Uffff, estou arrasado, mas....
    - Mas o quê?
    - O tipo é capaz de ter razão
    - afinal, isto está a fazer-nos perder "MUITO DINHEIRO..."
    - Sabes uma coisa?-
    - Diz...
    - O gajo é um génio
    - Também acho...

    cai o pano sobre a nódoa e acaba a peça ou seja, a hora fica sossegadinha

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. ahahahahahahahahahahahahah

      Cronos te ouça...

      Eliminar
  4. É da minha vista fraca, atendendo à hora tardia, ou os estudos quantitativos são, eles também, inconclusivos, segundo a confissão arengada?

    Hora de Verão versus hora de Inverno? Não. O que se pretende é UMA hora permanente, seguidinha e sem sobressaltos. A de Verão, por exemplo, que creio ser a que reúne maior consenso...

    Pronto! Não percebi outra vez a resposta. Isto está a repetir-se em mim com uma assustadora frequência. Será de mim?

    ResponderEliminar
  5. A mudança de hora é uma chatice do c...., (pelo menos o meu fica chateadíssimo)...
    :((((((

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem me digas nada. Vou publicar a tua peça de teatro :O)

      Eliminar